quarta-feira, 13 de junho de 2012

Senhora Realidade, prazer em conhecê-lo

Lá vem a Realidade nua, crua e usando batom vermelho
Ela se achega sem muito jeito, não é dama das sensuais
É meio grossa, bruta, quer agarrar seu pescoço e deixar marcas de unha
Ou morder, morder com força, nada de carinho, a Realidade é fria

Você tenta escapar, esquivar como alguém que tenta desviar duma bala
Mas já viu alguém desviar duma bala? Não. Então...
"Bora conversar um pouquinho,
deixe eu soprar no ouvidinho umas coisas que eu sei"
É pesadelo certo, vai falar sobre túmulos recém-abertos
Ou reabertos... Há quem goste de dessenterrar cadáveres

Mas tanto faz, ela quer um abraço
Um abraço tão forte que pode quebrar costelas, perfurar pulmões, pressionar corações
Tão intensamente que explodem
E jorram sangue pra todo canto

Mario Sergio

2 comentários:

  1. Oi amiguinho, confere a publicação do meu livro...
    Compra tá?!
    www.agbook.com.br/book/130547--Poemas_E_SonhosM

    ResponderExcluir